WhatsApp
Agendamento
icone-relogio

Segunda a Sexta - 08h - 20h

Sábado - 08h - 12h

icone-telefone_1

Central de Atendimento

(34) 3331-6100

icone-agenda_1

Catarata: conheça as causas e saiba mais sobre a cirurgia

Exame ocular

Com primeiros sinais sutis, como vista embaçada ou sensação de névoa, a doença pode acabar obstruindo completamente a visão

Lesão ocular relativamente comum, a catarata geralmente está relacionada ao processo natural de envelhecimento dos olhos. É mais comum surgir a partir dos 50 anos, embora também haja casos raros de incidência em crianças, seja por problemas genéticos ou porque as mães sofreram doenças infecciosas na gestação. 

Certas doenças e hábitos também podem estar relacionados ao problema, como hipertireoidismo, diabetes, abuso de colírios e corticoides, contato com radiação ou traumas nos olhos. 

Os primeiro sintoma é vista embaçada, como se os óculos estivessem sujos. Alguns pacientes também relatam sensação de enxergar por detrás de um nevoeiro. Isso ocorre porque a catarata deixa opaco o cristalino, uma lente orgânica que fica logo atrás da íris, o círculo colorido do olho. Isso impede que a luz chegue em condições normais à retina, onde a imagem vista é formada. É comum que comece apenas em um olho e atinja o outro algum tempo depois.

Com a evolução da catarata, os sintomas também podem incluir vista dupla e incômodo com luminosidade. Tarefas corriqueiras, como dirigir, se tornam mais difíceis ou mesmo perigosas, já que contornos e cores ficam cada vez menos visíveis. Há ainda risco de tropeços e quedas.  

“Ao perceber qualquer alteração na visão, o ideal é o paciente se consultar o quanto antes com um oftalmologista para ter o diagnóstico. Não existe tratamento clínico eficiente para catarata, mas vamos acompanhando até o momento de indicar a cirurgia”, explica a médica Hélia Angotti, especialista em córnea e doenças externas. 

Em todos os casos, a cirurgia envolve a substituição do cristalino por uma lente artificial. “Trata-se de um procedimento muito delicado tecnicamente, que exige habilidade e conhecimento do cirurgião, mas muito tranquilo para o paciente, com ótimos prognósticos. Nos últimos anos, os aparelhos também se modernizaram muito”, explica a oftalmologista. 

A progressão da catarata é lenta e indolor, mas diagnóstico precoce evita transtornos. Quando não é feita a cirurgia, a  dificuldade de enxergar se agrava gradualmente a ponto de o paciente conseguir ver apenas vultos ou nem isso.