WhatsApp
Agendamento
icone-relogio

Segunda a Sexta - 08h - 20h

Sábado - 08h - 12h

icone-telefone_1

Central de Atendimento

(34) 3331-6100

icone-agenda_1

Abril Marrom: o controle da diabetes previne doença da retina que pode causar cegueira

mulher-mede-glicose

O tratamento pode se resumir ao acompanhamento regular, mas, em casos mais graves, inclui injeções oculares e cirurgia 

A retinopatia diabética é uma complicação da diabetes que ocorre quando o excesso de glicose no sangue danifica vasos sanguíneos da retina, a parte do olho responsável pela formação das imagens. “Inicialmente, a retinopatia é assintomática e chega a causar lesões sem que o paciente perceba, por ainda estar com a visão perfeita”, explica o oftalmologista Reinaldo Fujita, do Oftalmocentro Uberaba. Mas se o problema não for controlado a tempo, o comprometimento da visão pode ser irreversível. 

A prevenção dessa complicação ocular só é possível por meio do controle rigoroso da diabetes, com o acompanhamento regular de um endocrinologista e um nutricionista, em paralelo a visitas no mínimo anuais ao oftalmologista. Havendo diagnóstico de retinopatia, as consultas devem ocorrer em intervalos menores, definidos pelo médico de acordo com a gravidade do caso. “Com o controle da diabetes, o risco é bem menor para os olhos”, explica o dr. Reinaldo. 

Ou seja, a retinopatia diabética nunca será tratada isoladamente, sem controle da diabetes. Mas, falando especificamente da abordagem oftalmológica, o médico explica que o tratamento pode se restringir ao acompanhamento por observação periódica, em casos leves, ou incluir procedimentos mais invasivos, como aplicação de laser no fundo do olho ou injeção ocular de antiinflamatórios. Casos muito graves podem requerer cirurgias de alta complexidade. 

Isso porque a retina é uma camada bastante delicada de tecido nervoso,  composto por células fotorreceptoras (isto é, capazes de captar luz). São cerca de 126 milhões dessas células, em forma de cones e bastonetes. E a retina fica na parte posterior do olho, bem no fundo do globo ocular. Sua função é converter a luz em sinais neurais por meio do nervo óptico para que o estímulo seja enviado ao cérebro, onde é transformado em reconhecimento visual.