WhatsApp
Agendamento
icone-relogio

Segunda a Sexta - 08h - 20h

Sábado - 08h - 12h

icone-telefone_1

Central de Atendimento

(34) 3331-6100

icone-agenda_1

Diagnóstico precoce e tratamento do glaucoma podem evitar a cegueira

Glaucoma - Oftalmocentro Uberaba

De acordo com a estimativa de centros de pesquisas internacionais e da Organização Mundial da Saúde (OMS), em 2020, 80 milhões de pessoas poderão ter glaucoma no mundo e, em 2040, esse grupo somará 111,5 milhões. As previsões não são animadoras, por isso é tão importante procurar um especialista para evitar a cegueira e ter mais qualidade na visão. A dra. Graziela Massa Resende é formada pela Universidade Federal do Triangulo Mineiro, com residência médica e doutorado em oftalmologia pela Unicamp. Em entrevista exclusiva para a Revista São Lucas, ela conta sobre o glaucoma, e evidencia os tratamentos para a qualidade de vida dos pacientes.

São Lucas Magazine: O que é glaucoma? Todas as pessoas podem ter?

Dra. Graziela Massa Resende “O Glaucoma é uma doença crônica degenerativa na qual ocorre um aumento da escavação do nervo óptico e perda do campo de visão, podendo causar cegueira de forma irreversível. Qualquer pessoa pode ter glaucoma, crianças ou adultos. Os casos mais comuns ocorrem nas pessoas com mais de 40 anos de idade.”

Como eu posso descobrir se tenho glaucoma? Quais os sinais e os sintomas?

Infelizmente o glaucoma é uma doença assintomática na maioria das vezes, mas pode ser detectado em uma consulta oftalmológica de rotina… A pressão intraocular alta, aumento da escavação do nervo óptico e alterações de campo visual são os principais sinais. Em casos específicos de glaucoma de ângulo fechado, pode haver dor súbita e intensa no olho, baixa de visão, náuseas e vômitos. No glaucoma congênito, pode haver fotofobia, mudança na cor do olho e crescimento do globo ocular:

Glaucoma tem cura? Qual o tratamento ideal?

Não tem cura, mas tem controle. O tratamento depende da gravidade. Na maioria das vezes, é feito com colírios hipotensores oculares. Nos casos avançados ou de difícil controle, às vezes, é necessário cirurgia.

Quais os exames necessários para o diagnóstico?

Vários exames clínicos e complementares são necessários, como medida da pressão intraocular, fundoscopia para avaliação do nervo óptico, gonioscopia, curva diária de pressão, campo visual, avaliação da espessura corneana e tomografia de coerência óptica.

Qual é a pressão intraocular normal e a ideal?

A pressão normal varia de 6 a 21mmHg, com uma média de 15mmHg. A pressão ideal deve ser individualizada e depende se o paciente apresenta ou não glaucoma e da gravidade.

Qual o intervalo ideal entre consultas para controle do glaucoma?

Para prevenção, a consulta anual é suficiente. No caso de pacientes com glaucoma, eles deverão ser avaliados a cada 3 a 6 meses, dependendo da gravidade.

A pressão intraocular pode variar no decorrer do dia e precisa ser igual em ambos os olhos?

A pressão intraocular pode ser maior pela manhã e diminuir ao longo do dia. Pode apresentar pequenas diferenças entre os dois olhos.

O colírio usado para baixar a pressão ocular deve ser usado sempre?

O colírio é usado de forma contínua. Provavelmente, se a pressão intraocular está normalizada, é pelo efeito dos colírios e pode voltar a subir caso os mesmos sejam suspensos.

Bebês podem ter glaucoma? É uma doença hereditária?

Bebês podem apresentar glaucoma congênito e se manifesta ao nascimento ou primeiros meses de vida. É uma doença hereditária e tem maior risco nos parentes de 1° grau.

O glaucoma pode deixar o paciente cego? Quando é operado, a visão pode voltar?

O glaucoma pode causar cegueira irreversível nos estágios mais avançados. A cirurgia tem como objetivo o controle da pressão. A visão nem sempre é recuperada após a cirurgia.

Quando se opera, o problema da pressão está resolvido?

Nem sempre. A pressão pode voltar a subir mesmo após a cirurgia, dependendo da gravidade do glaucoma e do processo de cicatrização de cada paciente.